Como melhorar a mobilidade no CrossFit?

No último artigo de nossa série sobre mobilidade, introduzimos o que de fato é mobilidade, qual a diferença em relação à flexibilidade e também por que ela é tão importante para os praticantes de CrossFit. 

Se você ainda não leu este artigo, clique aqui para ler agora mesmo! 🙂

De forma simples, vimos que a mobilidade é a capacidade de movimentar alguma área  específica do corpo em uma grande amplitude de movimento, sem ação de fatores externos como gravidade, aparelhos ou ajuda de outras pessoas.

Como colocado brilhantemente por Tony Gentilcore, treinador e cofundador da Cressey Sports Performance:

Mobilidade é a amplitude máxima na qual suas articulações podem ser movimentadas. Flexibilidade é a elasticidade de um músculo.

Como melhorar a mobilidade

Talvez um ponto que não tenha ficado claro e que muitas pessoas acabam se confundindo é que, apesar de mobilidade ser uma coisa completamente diferente de flexibilidade, não quer dizer que uma é melhor do que a outra.

Cada um tem sua devida importância.

Mobilidade é útil na execução de técnicas específicas e prevenção de lesões. Já a flexibilidade é mais útil em movimentos e situações mais específicas, como na execução de um determinado exercício.

A questão não é escolher “a melhor” opção e dedicar-se exclusivamente a ela, e sim entender em cada uma delas tem sua importância em situações distintas.

Como treinar mobilidade?

Treinar mobilidade não é um bicho de sete cabeças, mas a execução correta dos exercícios é de fundamental importância para a prevenção de lesões – no CrossFit ou em qualquer outro esporte.

Mas isso não significa que todo o mundo deveria ficar mais uma hora extra na academia todos os dias trabalhando a mobilidade de cada centímetro quadrado do corpo.

Segundo o Coach Matthew Ibrahim, as pessoas deveriam focar naquelas áreas mais duras e restritas de movimento.

Essas áreas geralmente são aquelas que compõem o quadril, os ombros, joelhos e parte superior da coluna. Se você já sofreu algum problema nessas áreas, ou pelo menos sente que sua amplitude de movimento é muito limitada nelas, aqui estão alguns exercícios que podem te ajudar.

1. Foam Rolling

Um pouco complicado de ser executado por necessitar de um de rolo de espuma, este exercício é altamente eficiente para desenvolvimento da mobilidade no quadril e nos ombros.

Além desses benefícios, o foam rolling é uma excelente opção de automassagem. 🙂

2. Rotinas de Mobilidade

Esses exercícios são especialmente desenvolvidos para o melhoramento da mobilidade em suas articulações.

MobilityWOD talvez seja a melhor fonte de informações que podemos encontrar atualmente na internet. Basta procurar pela parte específica do corpo que você deseja treinar e então realizar os exercícios mostrados.

3. Alongamentos

Apesar de não ser sempre necessários, principalmente se você é naturalmente flexível, alongamentos podem ser uma boa opção para ampliar algumas áreas do seu corpo e permitir a execução dos exercícios de mobilidade.

Se você não é uma pessoa naturalmente flexível, realizar alguns alongamentos curtos antes do treino e sessões mais longas após os treinos podem sim te trazer benefícios no curto prazo.

Alongamento CrossFit

Leve em consideração que a execução correta dos exercícios é fundamental para que os benefícios apareçam. Se tiver alguma dúvida sobre a execução de um movimento em particular (seja os citados aqui ou qualquer outro que encontre na internet), procure um coach certificado e capacitado para te ajudar.

Um coach qualificado sempre será a melhor fonte de informação quando o assunto é CrossFit. 🙂

E aí, depois do artigo começou a pensar em como melhorar a mobilidade? Se você mora em Curitiba conte com a High Pulse! Basta agendar sua aula experimental aqui e começar a treinar CrossFit com os coachs e box de CrossFit mais apaixonada da capital!

Bons treinos.

Related Post
O CrossFit como filosofia de vida
Genética é desculpa no CrossFit?
Como conciliar alimentação, treinamento e técnica no CrossFit?
O que é mobilidade no Crossfit? E por que ela é tão importante?
Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *