Como sua genética afeta seus resultados no CrossFit?

Não tem jeito. Se você já está há algum tempo no CrossFit vez ou outra já ter se deparado com aquelas pessoas “geneticamente beneficiadas”. Que parecem nunca engordar mesmo comendo só besteira, raramente têm dificuldade com alguma técnica ou que, em um mês, já consegue o mesmo resultado de alguém que está soando há meses por isso.

Sim, essas pessoas existem e, apesar de ainda termos poucas evidências científicas que relacionam genética com a facilidade em determinadas atividades físicas, fica evidente para qualquer pessoa que treina que algumas pessoas certamente têm mais facilidades que as outras.

Se você não é uma dessas pessoas “geneticamente beneficiadas”, conhece muito bem o sentimento de ver alguém que não se dedica tanto conquistando as metas tão rapidamente, enquanto você, que leva o treino super a sério e dá seu sangue nos treinamentos, parece avançar em câmera lenta.

Como a genética afeta seus resultados no CrossFit?

Mas por que algumas pessoas têm mais facilidades que as outras? E o que a ciência nos diz sobre isso?

A maioria dos cientistas e pesquisadores esportivos concordam que genética, de uma forma ou outra, afeta a performance de um indivíduo em determinados esportes.

Estudos recentes já comprovaram que aptidões físicas como força, tamanho dos músculos e composição das fibras musculares, capacidade pulmonar, flexibilidade e resistência em geral.

Outros fatores relacionados à nutrição que também são bastante influenciados pela genética é a forma como nosso organismo absorve e utiliza cada nutriente (incluindo a água, que explica porque algumas pessoas bebem mais água do que as outras em um treino), acúmulo e distribuição de gordura pelo corpo.

Genética influencia na queima de gordura?

Isso significa que todos os resultados no CrossFit são totalmente dependente dos fatores genéticos de cada um?

Não!

Apesar de a genética influenciar como o nosso corpo reage ao treinamento e alimentação, essa influência ainda representa uma porcentagem muito baixa com relação ao sua dedicação no treino.

Ou seja, uma pessoa sem esses “benefícios genéticos” pode muito bem encontrar formas de compensar em outras áreas, e consequentemente atingir o mesmo nível de performance das pessoas consideradas geneticamente beneficiadas.

Além disso, estudos também demonstram que a genética não parece ter muita influência sobre outras habilidades como equilíbrio, agilidade, tempo de reação e precisão. Todas essas habilidades são desenvolvidas exclusivamente através de um treino apropriado e inteligente.

Treinamento CrossFit

O que fazer então?

Apesar de todos os estudos citados aqui indicarem que a genética influencia de alguma forma sua performance no CrossFit, é muito importante entender que ainda não há formas de identificar quais são essas pessoas.

Portanto, não podemos apontar para uma pessoa e dizer que ela tem uma genética melhor do que a nossa, simplesmente porque sua performance é melhor do que a nossa.

E vamos combinar, a genética sem dúvidas é uma das desculpas mais usadas pelos preguiçosos, que nunca se dedicam e vivem querendo culpar os fatores externas por sua falta de resultados ou performance ruim no treino.

Para cada fator que a genética tem um peso, existe dezenas de outros que são totalmente responsabilidade sua.

Em resumo, você não tem culpa por ter nascido com a genética que tem, mas sempre será sua responsabilidade fazer as escolhas certas – no CrossFit e na vida.

Fonte:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3993978/
http://sportsmedicine.about.com/od/anatomyandphysiology/a/genetics.htm

Related Post
Genética é desculpa no CrossFit?
Como conciliar alimentação, treinamento e técnica no CrossFit?
Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *